Setor de entretenimento dá o show e sai na frente em doações pra Manaus

Eles foram os primeiros a pararem e serão os últimos a voltarem com suas atividades, mas isso não impediu os artistas se mobilizarem para aquisição de cilindros de oxigênio. A iniciativa do humorista Whindersson Nunes ganhou outros adeptos, incluindo cantores, escritores, jogadores de futebol e atrizes.

“Providenciando 20 cilindros de 50L de oxigênio pra distribuir nas unidades mais urgentes em Manaus! Alô, meus amigos artistas! Na hora de fazer show é tão bom quando o público nós recebe com carinho né, vamos retribuir????”, escreveu Whindersson nas redes sociais.

Após o apelo, nomes como os humoristas Marcelo Adnet , Tirullipa e Paulo Gustavo, a atriz e apresentadora Tata Werneck, as cantoras sertanejas Simone e Marília Mendonça, e o cantor Tierry também entraram na corrente do bem para ajudar a região. Gusttavo Lima garantiu a compra de 150 cilindros.

Vários artistas fizeram doação na conta do Instituto Nova Amazônia ( www.novaamazonia.org ) que também está empenhada na luta contra o novo corona vírus, Covid19.

EM TEMPO: Já foram arrecadados mais de 400. mil reais sendo que cada cilindro de oxigênio medicinal custa em média R$ 1.290,00* Valor em São Paulo, já em Manaus o mesmo produto é vendido por até R$500 reais a mais!

Logística de guerra

Há, no estado, outros fornecedores locais de oxigênio, mas eles atendem a uma pequena parcela da demanda. Uma delas, a Nitron da Amazônia, também já foi acionada na Justiçapara manter o fornecimento aos hospitais da Unimed de Manaus

Segundo representantes dos governos federal e estadual, a incapacidade da fábrica da White Martins atender, praticamente sozinha, a toda a atual demanda do estado é agravada pelas dificuldades logísticas para fazer com que o produto proveniente de outros estados cheguem a Manaus.

Parte das adversidades vem sendo enfrentada com a ajuda da Força Aérea Brasileira (FAB). Ao longo da última semana, aviões cargueiros militares já transportaram ao menos 350 cilindros e 12 isotanques contendo oxigênio. De acordo com o Ministério da Defesa, a ação exige uma verdadeira “logística de guerra”.

Avião militar C-130, da FAB, com cilindros de oxigênio para tratamento de pacientes de covid-19 em Manaus.

Com informações Robson Botero / Agencia Brasil