Cuide dos olhos nos dias de folia

Oftalmologista Tatiana Brito dá dicas de como proteger a visão sem deixar a produção de carnaval de lado

O Brasil está em clima de Carnaval. Muitos blocos e festas já estão nas ruas arrastando os foliões e para estes dias os cuidados são na hora da produção. Adereços, muito glitter, pedrarias, capricho na maquiagem com pintura e tem até os que usam lentes de contato para mudar a cor dos olhos. Mas todos estes itens precisam ser utilizados com cuidado para proteger, principalmente, a saúde dos olhos.

O alerta é da oftalmologista do Hospital de Olhos de Goiânia, Drª Tatiana Brito. A especialista ressalta que os cuidados já começam na higienização das mãos, que devem estar limpas antes da aplicação dos produtos na pele. “Esse primeiro passo evita que nossas mãos se transformem em porta de entrada para proliferação de bactérias e isso se estende para limpeza pincéis e esponjas que serão usados com os produtos”, reforça.

As populares pinturas faciais, o glitter e a purpurina merecem atenção especial, pois, podem afetar a córnea e provocar problemas sérios à visão. Por isso, Tatiana Brito reitera que “caso caia nos olhos, evite coçar. Isso pode estimular inchaços e vermelhidão. O melhor é lavar com água corrente ou soro fisiológico, e se a irritação continuar, consultar um oftalmologista”.

Segundo a especialista, as tintas usadas para complementar a maquiagem podem gerar possíveis alergias na região ao redor dos olhos se não tiverem o selo de antialérgicos. “Pessoas sensíveis podem desenvolver quadro sério de hipersensibilidade”, sinaliza. Ela ressalta ainda que aqueles que optarem pelas lentes de contato precisam ter em mãos estojo, loção de limpeza e colírio caso seja preciso fazer a remoção.

Com todas as precauções tomadas e a produção pronta para sair às ruas e pular o Carnaval, os cuidados continuam. A proteção segue com o uso de óculos escuros com proteção UVA e UVB, bonés, viseiras ou chapéus para evitar incidência de radiação solar nos olhos. E o melhor é fugir das espumas de spray tão comuns dessa época, para evitar alergias, irritações e até lesão na córnea.

Conjuntivite

A grande aglomeração de pessoas também contribui para o contágio de conjuntivite. Por isso, a recomendação é não compartilhar objetos de uso pessoal como óculos, colírios, toalhas e maquiagens e, mais uma vez, manter a higienização das mãos antes de passá-las nos olhos.

“A conjuntivite pode ser alérgica e infecciosa e os seus primeiros sinais e sintomas são ardor, vermelhidão, secreção, sensação de corpo estranho e coceira”, explica Tatiana Brito. A oftalmologista reafirma que ao perceber os sintomas, um médico deve ser consultado para que o possível problema possa ser diagnosticado de forma rápida para início do tratamento.